CRIANÇAS x VEGETAIS

  Se você tem filhos entre 2 a 7 anos vai se identificar muito com esse post.

 

  Um dos fatores que mais me motivou a escrever um livro é nos fazer entender como estamos errados em relação as crianças, antes de completarem o seu primeiro ano de vida nós já os expomos a ensaios fotográficos açucarados e gordurosos, isso por volta dos 10 meses, quando o bebe está no auge de sua adaptação com a sua nova maneira de se alimentar. Aí, não muito tempo depois, chega o primeiro aniversario, nós preparamos aquela festa de arromba, entupimos as mesas de doces refinados, corantes e expomos mais uma vez essa criança a quantidades assustadoras de açúcar, gordura e toxinas, e o pior, as fazemos associar que alegria, felicidade e bem estar está totalmente interligado com esses 'alimentos', até aí pode ser que seu pequeno coma bem, você oferece, ele aceita comer comida, aceita também comer os doces e se lambuza de maneira que te faça derreter o coração e achar uma gracinha. Aí por volta dos 18 meses o filho vai começar a recusar boa parte daqueles alimentos que você oferece, aquele brócolis ja não é mais tão bem aceito, aquela cenoura começa a ficar dificil de engolir, couve? rúcula? Vish..  nem com reza!

 

  E aí, nós começamos a nos questionar e perguntar o que foi que aconteceu, a criança só aceita comer doces, as vezes uma batata, e como você não quer ve-lo passar fome, oferece os doces, certo? ERRADO. 

  Eu não sou o tipo de pessoa que costuma dizer isso é certo, isso é errado, mas gosto muito de ajudar outros pais nessa fase desesperadora da introdução alimentar, tanto que criei um blog e escrevi um livro para isso rs, 

  Vou te dar uma dica sobre como substituir o smash the cake 

 Bolo de melancia com frutas! 

Bolo de melancia com frutas! 

 

 

  O que acontece é que não entendemos ainda o fato de que a introdução alimentar pode ir até os 7 anos, período de maior descoberta na vida de uma criança e as vezes por sermos capturados por motivos superfulos como um ensaio de smash the cake por exemplo, onde apresentamos pela primeira vez uma maneira mais açucarada e mais prazerosa para o CÉREBRO deles se alimentar.. Ali naquele momento, sem você saber começaram as associações de açúcar e prazer.. 

  Com 2 anos a situação pode estar tão insustentável que você acaba se rendendo e deixando que a criança guie sua alimentação, e quando você se pega percebe que esta vivendo a base de arroz branco, MACARRÃO, pão branco, doce de leite, queijo, salgadinhos e guloseimas..  Talvez você pesquise e encontre por aí que é só uma fase, tem até a teoria do nosso processo evolutivo, que recusar vegetais é um mecanismo de defesa do ser humano e que começa por volta dos 18 meses.. que vai passar, em tese, é sim uma fase, bastante delicada mas o desfecho dessa história, cabe a você decidir.

 E como eu posso fazer para mudar isso ?

 Enxergar a responsabilidade do nosso papel é fundamental

  • RESPONSABILIDADE: crianças não tem acesso a dinheiro e muito menos são responsáveis pelas compras no mercado

 

  • SOBREVIVÊNCIA: existe um mecanismo de SOBREVIVÊNCIA natural, você ofereceu uma refeição, foi recusada sem nem ao menos provar? Certo, só temos isso. Quando estiver com fome de verdade, irá se alimentar.

 

  • EXEMPLO: você é exemplo, não espere que seu filho coma brócolis, cenoura e couve flor se você esta comendo um SANDUÍCHE na frente da tv.

 

  • ROTINA: rotina é importante, ter um horário certo para comer todos os dias em família é essencial para que as refeições tenham sucesso, criar um ambiente gostoso para o momento pode fazer toda a diferença.

 

  • PADRÃO:  comer igual, se você espera que o seu filho coma de maneira mais saudável, mostre pra ele que vocês estão juntos e que é normal comer assim, além de nos trazer inúmeros benefícios

 

  • INCENTIVO/ CONFIANÇA: nunca pense que seu filho é pequeno demais para conversar com ele sobre alimentação, inclua-o se POSSÍVEL nos preparos das refeições, se você tiver uma rotina muito corrida, separe um dia na semana para cozinharem, para mostrar vegetais e explicar o quanto são importantes para o nosso corpo.

 

  • ACORDAR SEM FORÇAR: crie um ambiente para a palavra experimentar, aqui em casa por exemplo eu sempre falo 'lembra que o lema é EXPERIMENTAR' se seu filho já tiver entendimento, crie uma pequena regra para que ele experimente, se não gostar, tudo bem, não deixe de oferecer porque não gostou uma vez, nunca o force.

 

  • PERSISTÊNCIA: e por fim, seja persistente, não deixe nunca de oferecer alimentos que ele deixou de comer,  crianças aprendem por repetição 

 Nossas escolhas no presente influenciam diretamente no futuro dos nossos filhos a maneira como você lida com a alimentação dele vai ser um reflexo de como ele se relacionará futuramente com os alimentos, seja o seu guia!

 

 

        

 

 

 

Não deixe de conhecer a nossa: